Brasil - Portugal - África

Teia Literária

Revista de Estudos Culturais: Brasil - Portugal - África

Textos


        O pós-pós: novos caminhos da   
        prosa brasileira no século XXI

 

                                                                        Godofredo de Oliveira Neto
                                                                                             Coordenação

                                         Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ
)


     Melhor flutuar pelas asas da reflexão poética no intermédio, entre o exposto
     e o expositor, livre de todo [...] interesse, e potenciar sempre novamente es 
     ta reflexão e multiplicá-la como numa série infindável de espelhos.
                                                                                     
Friedrich Schlegel


     
O livro é um mundo. O crítico experimenta, diante do livro, as mesmas 
      condições de fala que o escritor diante do mundo.
                                                                                              
Roland Barthes
                                                                                             
 
 
    Uma constatação que decorre da leitura de todos quantos se debruçam sobre a Literatura Brasileira das duas últimas décadas do século XX é a de que aqueles textos atravessam a fronteira da arte literária. Essa ficção não pressupõe leitura literária. O autor não parece preocupado em fazer ou não literatura, nem tampouco em traçar um limite explícito entre realidade e ficção. Essa literatura, pela perda gradativa das categorias literárias, é denominada, por alguns pesquisadores, literatura pós-autônoma (Ludmer, Garramuño, Kamenszain).
   O eixo da pesquisa ora proposta é, pois, o estabelecimento das linhas orientadoras da literatura pós-autônoma com vistas a poder alcançar a tendência que se insinua no final da década atual, tendência aqui denominada pós-pós. Pretende-se construir um corpus representativo da prosa brasileira contemporânea, recorrendo à lista de romances estudados por um leque significativo de universidades brasileiras. Busca-se, dessa forma, evitar a subjetividade na elaboração do conjunto de autores escolhidos.
   Essa jovem e dispersa tendência, que poderíamos intitular pós-pós, volta-se para a exposição de relações humanas mais delicadas e consentâneas da necessidade de uma sociedade menos bestializada, sociedade que o pós-modernismo, por excesso de individualismo de uma economia liberal vencedora, acabou por priorizar. Do ponto de vista das categorias literárias sente-se o retorno tímido do emprego metafórico e simbólico da linguagem e dos demais elementos que o estruturalismo fixou a partir do século XX. Em relação à forma do romance, chama a atenção, por exemplo, o retorno singelo, mas não menos sintomático, do travessão indicando a fala dos personagens, como em Heranças (2008), último romance de Silviano Santiago, onde, aliás, não consta o emprego do palavrão, situação particularmente distinta do romance brasileiro dos últimos vinte anos. Não menos sintomático, outrossim, é a referência à gramática no último livro de Chico Buarque, Leite derramado (2009), ainda que em tom algo irônico. Esse emprego da língua portuguesa mais próximo da chamada norma culta vem sendo detectado por linguistas (AZEREDO, 2008). 
  
Todorov em seu polêmico livro-ensaio A literatura em perigo (2007) aponta para a necessidade de libertar a literatura do “espartilho asfixiante em que está presa, feito de jogos formais, queixas niilistas e ‘umbiguismo’ solipsista”. A busca da delicadeza e a recusa do individualismo e da postura niilista apontam inegavelmente para uma nova ficção distante da selvajaria urbana. A tendência da narrativa atual é revelar, portanto, esse novo homem que, diante da tragicidade do universo contemporâneo, busca a reconciliação e a harmonia.
   As novas diretrizes literárias parecem se originar por uma razão, portanto, social, ambiental e econômica – como reação positiva às intempéries contemporâneas – e por outra relacionada à própria produção ficcional já farta da prosa violenta, crua, estéril. Na era do ecologicamente correto, da sustentabilidade, da parceria, da retomada de posturas mais ascéticas ou, para usar a nomenclatura atualizada, mais recessionistas, surge uma narrativa para além dos limites agonizantes do trágico; uma prosa imersa na delicadeza, menos “umbiguista” e mais poética ou, simplesmente, da “Beleza, Graça, Emoção, Simetria e Harmonia” (Candido, 1987) objeto dessa pesquisa que não pretende se ater às marcas claramente delineadas nas páginas da literatura pós-moderna, mas se voltar para as raízes de uma ficção que dá seus primeiros, mas determinantes, passos.
   Por outro lado, a tendência, aqui chamada de pós-pós, talvez em função de representar manifestação ainda relativamente recente, não recebeu a devida atenção por parte dos estudiosos. Não constitui tarefa simples reconhecer tal tendência dentro do emaranhado de publicações ficcionais que diariamente chegam às livrarias do Brasil. Entretanto, em uma observação mais detida dessas narrativas que ora chegam ao mercado, pode se constatar uma tendência que minimiza a forma fragmentada, preocupando-se especialmente com a língua padrão, ao mesmo tempo em que tais narrativas perdem em crueldade e ganham em delicadeza.
   A partir desse esgotamento, que aos poucos se insinua, em relação aos constituintes da literatura pós- moderna: violência estética e temática, linguagem crua, narrativa fragmentada, mistura de gêneros, uso de gírias e palavrões, podemos perceber a importância de produzir um trabalho, de abrangência do território nacional, que retrate essa recente tendência que denominamos pós-pós.
 
 
Equipe:
GODOFREDO DE OLIVEIRA NETO - Coordenador
Professor de Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

CARINA FERREIRA LESSA
Mestranda em Letras Vernáculas (área de concentração Literatura Brasileira) pela
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
 
CRISTIANE TEIXEIRA DE AMORIM
Doutoranda em Letras Vernáculas (área de concentração Literatura Brasileira) pela
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Bolsista do CNPq – Brasil
 
JORGE LUIZ MARQUES DE MORAES
Doutorando em Letras Vernáculas (área de concentração Literatura Brasileira) pela
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
 
Colaboradores:

VIVALDO ANDRADE DOS SANTOS
Associate Professor; Portuguese and Latin American Literature
Department of Spanish and Portuguese - Georgetown University

RAQUEL CRISTINA DOS SANTOS PEREIRA
Doutoranda em Letras Vernáculas (área de concentração Literatura Portuguesa e
Africanas de Língua Portuguesa) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Editora da Revista Teia Literária
Bolsista CAPES

          Projeto associado ao Programa Avançado de Cultura Contemporânea 
                                                                     (PACC - UFRJ).


Raquel Cristina dos Santos Pereira
Enviado por Raquel Cristina dos Santos Pereira em 21/04/2010
Alterado em 27/04/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar o autor do projeto e o site: www.teialiteraria.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras